Dieta promete eliminar até 50% do excesso de peso em um mês sem atividade física

Apesar da aparente liberdade, não é possível comer tudo o que se tem vontade

Uma dieta criada por um endocrinologista de São Paulo promete eliminar de 30% a 50% do excesso de peso em apenas um mês, sem que seja necessário fazer exercícios. O cardápio é baseado no consumo de proteínas e no controle de carboidratos. Algumas bebidas alcoólicas são permitidas, como o vinho. E o tamanho do prato, assim como a frequência das refeições, é flexível.

Apesar da aparente liberdade, não é possível comer tudo o que se tem vontade. "O conceito é comer a hora que quiser, o volume que quiser, mas não o que quiser", alerta o endocrinologista Cyro Guimarães Junior.

Requeijão, queijos amarelos, creme de leite, biscoito, uva, abacate, banana, caqui, manga, mandioca, batata, milho, refrigerantes (inclusive diet), cerveja, chope, carnes à milanesa e à doré devem ser riscados do cardápio.

Também estão proibidos alimentos conservados em tetra pak, vidros ou plásticos. "O chá verde industrializado é vendido como saudável, mas tem 20.6 gramas de sódio a cada 100 ml e isso representa de 4 a 5 colheres de sopa de sal em uma embalagem de 1 litro", revela Junior. Já os sucos embalados não devem ser consumidos, segundo o endocrinologista, devido à inclusão de adoçantes e amido de milho, que instigam o aumento de peso e aumenta a chances de desenvolver diabetes e hipertensão.

Mesmo com tantas proibições, a dieta permite o consumo de alguns carboidratos à vontade, como os que estão presentes no leite e derivados, e também nas frutas. Já massas e grãos são liberados aos poucos. "A pessoa pode comer uma massa na semana, na quantidade que achar melhor. Já os grãos, como arroz, feijão, ervilha, soja e outros, só podem ser consumidos três vezes na semana", diz o médico. Se uma pessoa comer uma feijoada, por exemplo, terá consumido os créditos de grãos na semana.

Sucos de fruta sem açúcar podem ser consumidos à vontade, bem como chás em pó ou sachês e água de coco. "Quem quiser também pode fazer uma vitamina de leite batido com frutas, sem problemas, pois tudo isso é liberado", ressalta Junior.

Com relação às bebidas alcóolicas, cervejas e bebidas licorosas estão vetadas. Já os vinhos e as bebidas destiladas estão liberados. "É preciso manter alguns prazeres para que o paciente consiga seguir a dieta", afirma Junior. Ele enfatiza que o uso social da bebida, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), limita-se a até duas doses de destilado por dia ou duas taças de vinho.

Para seguir a dieta, é preciso evitar a praticidade. "Ninguém quer perder tempo preparando uma refeição, por exemplo, mas o ideal é levar comida pro trabalho e não sair para comer fora", acredita Junior.