Gaeco cumpre novos mandados de busca e apreensão na Prefeitura de Dourados

Esta é a terceira fase da Operação Pregão, que investiga crimes de fraudes em licitações na Prefeitura de Dourados.

Policiais estiveram na prefeitura de Dourados na manhã de hoje (Foto: Eliel Oliveira/Arquivo)
Policiais estiveram na prefeitura de Dourados na manhã de hoje (Foto: Eliel Oliveira/Arquivo)

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e a Polícia Civil estiveram na Secretaria Municipal de Fazenda na Prefeitura de Dourados na manhã desta quinta-feira (14) cumprindo mandados de busca e apreensão na terceira fase da Operação Pregão, desencadeada pelo Ministério Público de Mato Grosso do Sul, através da 17ª, 16ª e 10ª Promotorias de Justiça de Dourados. A primeira fase da operação foi deflagrada em outubro de 2018 e a segunda em dezembro. 

A reportagem da 94FM entrou em contato com a administração municipal e foi informada que os policiais chegaram por volta das 07h na prefeitura e pouco depois das 08h deixaram o local com apenas uma pasta de documentos.

Até agora, foi informado que o tesoureiro da prefeitura, Jorge Rodrigues de Castro, foi encaminhado ao Ministério Público, juntamente com um casal de empresários, identificados como Ademir e Madalena. Mais detalhes sobre os alvos ainda não foram divulgados. 

Leia também:
Com ex-secretário preso por corrupção, Délia faz nova mudança na Fazenda

De acordo com o Gaeco, "A operação tem por objetivo esclarecer a atuação de uma suposta organização criminosa composta por agentes públicos, políticos e empresários, visando à prática de diversos crimes, incluindo fraude em licitação, dispensa indevida de licitação, falsificação de documentos e advocacia administrativa, além do crime contra a ordem financeira e incidência na conduta da Lei Anticorrupção, sem prejuízo de outros, notadamente em razão de fraudes em licitações e contratos públicos, praticados, em tese, durante a atual gestão do município de Dourados, sendo que, em dezembro do mesmo ano,  foi realizada a segunda fase da Operação".

Entenda a Operação

A primeira fase foi deflagrada em outubro do ano passado, tendo por objetivo esclarecer a atuação de uma suposta organização criminosa composta por agentes públicos, políticos e empresários, visando à prática de diversos crimes, incluindo fraude em licitação, dispensa indevida de licitação, falsificação de documentos e advocacia administrativa, além do crime contra a ordem financeira e incidência na conduta da Lei Anticorrupção, sem prejuízo de outros, notadamente em razão de fraudes em licitações e contratos públicos, praticados, em tese, durante a atual gestão do município de Dourados".

O nome Operação Pregão refere-se à modalidade de procedimento licitatório mais utilizada pelos investigados em sua atuação.

Prisões

Durante a operação, a Justiça de Mato Grosso do Sul determinou a prisão do ex-secretário municipal de Fazenda, João Fava Neto, no dia 31 de outubro de 2018. Nessa data, participaram 13 equipes, compostas por aproximadamente 75 policiais militares, civis e servidores, além dos seis promotores de Justiça de Dourados e Campo Grande.

Além de Fava Neto, também foram presos durante a Operação Pregão Anilton Garcia de Souza, ex-presidente da Comissão Permanente de Licitação do município, Messias José da Silva, proprietário de empresa beneficiada com contratos milionários na Prefeitura de Dourados, e a vereadora Denize Portollan de Moura Martins, ex-secretária de Educação. 

Na época, foram cumpridos quatro mandados de prisão preventiva em Dourados e 16 mandados de busca e apreensão, no município e em Campo Grande, todos expedidos pelos Juízes de Direito Luiz Alberto de Moura Filho e César de Souza Lima (em substituição legal) da 1ª Vara Criminal de Dourados.

***Colaborou Sidnei Bronka

Matéria editada às 09h30 para informar o nome do tesoureiro encaminhado ao MP***



Comentários
Os comentários ofensivos, obscenos, que vão contra a lei ou que não contenha identificação não serão publicados.
  • joanamoura55

    joanamoura55

    gostaria de saber sobre o pagamento dos fornecedores e convênios da prefeitura, pois ja esta atrasado esse pagamento agora com o tesoureiro preso vamos ter que esperar ate quando, nosso serviço esta sendo entregue e em dia.... Temos conta pra pagar e contamos com esse dinheiro. Ajuda a gente Marçal